Dicas para reduzir perdas nos supermercados no Natal

por Antônio Balbino 28-11-2018 11:34
Entre em contato:

dicas para reduzir perdas nos supermercados no natal

Chegou o período mais esperado do ano para o segmento supermercadista, mas junto com o crescimento nas vendas temos o mesmo cenário para as perdas. No período natalino, nossas lojas se tornam pequenas. Não importa se você é mercado, supermercado, hipermercado ou atacarejo, sempre terá aperto nos corredores, filas nos caixas e balcões de atendimento e toda a loucura que se repete ano após ano. Sim, brasileiro ama deixar tudo para última hora e não seria diferente no Natal. Mas isso não significa que os varejistas devem deixar suas estratégias para última hora também. Por isso, preparei este artigo e, para facilitar a compreensão de todos, separei as dicas por setores.

Onde o cliente detesta ficar?

Exatamente o que você pensou: na fila do caixa. É praticamente impossível não ter filas na véspera do Natal, porém o que não pode acontecer é ter filas ainda maiores por conta de caixas parados por falhas nos equipamentos. Tenha sempre alguns equipamentos prontos para serem substituídos, afinal de contas o caixa não pode parar.

Defina também sangrias (retirada de valores no caixa) predefinidas pela tesouraria da empresa e nunca deixe grandes valores no caixa. Atenção redobrada nos cancelamentos e muito cuidado com os subscaneamentos, seja com auxílio de tecnologias de gestão de PDV ou de forma rude com fiscais na própria frente de caixa.

 

E os produtos sazonais ou de alto risco?

Quando falamos em cuidado com os produtos sazonais, incluindo também os de alto risco, precisamos começar a nos preocupar desde o recebimento da mercadoria. Um exemplo clássico é o famoso queijo do reino. Na hora do recebimento, o produto deverá ser conferido 100% e com auditoria em todas as marcas da área de prevenção ou área responsável. Muito cuidado com o armazenamento dessas mercadorias nos estoques, o ideal é que todas estejam na área de vendas.

Outra prática muito comum nestes períodos, a qual devemos prestar atenção, é a famosa troca de etiqueta de produtos fracionados. Exemplo: trocar etiqueta de queijo do reino, retirar o peso de uma bola de 1,1 kg e inserir em outra de 1,6 kg. Acredite, estas fraudes se repetem todos os anos. Oriente seus operadores de caixa a pesar novamente e verificar na balança do caixa. Pode parecer complicado, em um primeiro momento, mas com a prática, se torna uma operação rápida, até porque é apenas uma conferência rápida. Faça o mesmo com carnes nobres e queijos especiais. Caso você já tenha uma lista de produtos de alto risco que dependem de pesagem, utilize-a nesse momento.

A troca de etiqueta não é realizada apenas por “clientes”, na maioria das vezes é realizada pelo próprio balconista, muitas vezes em conluio.

Em grande parte dos casos, os clientes são comerciantes que atuam no mercado paralelo. Ao realizar auditorias, leve alguns casos até o balcão e cobre de seus funcionários. Garanto que caso haja alguma fraude sendo praticada, irão diminuir e muito as ocorrências.

Outro problema é o consumo de mercadorias nas lojas. Nesta época, essa prática se multiplica e é difícil conseguir controlar. Os varejistas vivem isso no dia a dia e sabem o quanto é difícil diminui-la em dias comuns, imagine durante esse período. Quando possível, leve o produto para o caixa e ele deverá sinalizar ao cliente a necessidade do pagamento, como todos costumam fazer. Mas só faça isso se tiver certeza do consumo. Se não tem certeza, prejuízo pouco é lucro e uma acusação infundada pode trazer grandes problemas para a empresa!

 

Identificando furtos, combatendo perdas e treinando a equipe

Todos os funcionários deverão estar preparados para identificar furtos e sempre sinalizar para a equipe responsável, assim poderão monitorar tudo e ter a certeza no momento de uma abordagem. Já falei em outro artigo sobre como realizar uma abordagem e você pode conferir aqui.

Outro ponto fundamental que precisamos dar atenção máxima é a situação das câmaras, balcões, salas de preparo, ou seja, tudo que é utilizado para manter a qualidade dos produtos perecíveis. Mais da metade das empresas que não tem um plano de manutenção tem problemas no final do ano.

Nesse momento, a perda é gigante e a demora no atendimento dos prestadores de serviço em virtude da demanda só aumenta a gravidade. Portanto, neste mês, faça manutenções preventivas semanais nas unidades e monitore toda e qualquer modificação. São atitudes essenciais para combater as perdas e quebras.

A realização de uma checagem em todos os equipamentos da loja é parte importante da cartilha de uma boa gestão. Durante o período de final de ano é essencial contas com câmeras, antenas, rádios, etiquetas, coletores, sensores, sirenes e demais. Todos devem ser testados e receberem atestado da área de prevenção de perdas, confirmando seu pleno funcionamento.

 

Inventários são essenciais

Por fim, mas não menos importante, faça inventários nos itens sazonais durante todo o mês. Divida a contagem em pequenos grupos, trinta itens por dia, por exemplo, ou use o período de fechamento da loja para a ação. Se você tiver uma equipe interna de inventários, priorize o período da noite para trabalhar e monitore durante o dia os itens que tiveram divergências na contagem noturna. Esses inventários proporcionam uma análise rápida e com isso o plano de ação é sempre mais eficiente.

 

Espero que todos vocês tenham boas vendas e, acima de tudo, bons lucros!

 

 

Mais dicas para as vendas de final de ano:

Lucrando no Natal com a Prevenção de Perdas

[PAPER GRATUITO] 15 dicas para prevenir perdas no final de ano

[EBOOK GRATUITO] Natal Sem Crise: como aumentar as vendas de final de ano

 

 

Como proteger os produtos mais furtados no supermercado?

Topics: Perdas no Varejo, Equipe e Treinamento, O profissional de Prevenção de Perdas, Frente de Caixa, Furtos internos