Sustentabilidade = Transparência

por Melissa Szuster 21-05-2012 10:58

Dando continuidade às práticas sustentáveis no varejo, no Blog da Gateway, resgatamos um artigo bastante pertinente sobre comportamento sustentável: precisamos de mais informações para nos tornarmos consumidores, e mais do que isso, cidadãos conscientes.

Ferramentas claras que nos permitam saber as origens e destinações do que consumimos, devem ser disponibilizadas por agentes isentos e de maneira completa, porém simplificada (para compreensão do consumidor leigo).

Temos que ter em mente sempre, que o assunto "Sustentabilidade" NÃO PODE SER RESERVA DE MERCADO. Ou seja, por principio, assuntos relativos às estratégias sustentáveis devem ser cada vez mais divulgados e estimulados. E é esse o papel que mais nos impulsiona a fazer nosso trabalho.

Já mencionamos em outros artigos, uma empresa americana que vem exercendo um grande papel nesse cenário: o Good Guide. Eles acreditam que melhor informação pode transformar o mercado consumidor. Assim, quanto mais os consumidores compram produtos melhores (para a saúde, meio ambiente e para as pessoas envolvidas na produção/venda), mais os produtores e varejistas se encontrarão estimulados a disponibilizar produtos seguros, sustentáveis e produzidos seguindo padrões éticos, tanto em relação à matéria prima, quanto à mão de obra.

Ferramentas que geram informação no ponto de venda, são tendência e com certeza podem exercer grande influencia na decisão de compra. Para sentir isso na prática a nossa equipe realizou um exercício para saber mais sobre o que consumimos. Resolvemos fazer uma pesquisa de alguns produtos habituais e iniciamos por um item de maquiagem.

O Good Guide disponibiliza mais de 29.000 produtos de maquiagem cadastrados em seu banco de dados. Os critérios de classificação do site são bastante completos e ainda passa por evoluções, mas simplificando um pouco para o leitor, existem 3 critérios principais; ambiental, saúde e social. Cada um destes critérios recebe notas de 1 a 10 e a pontuação do produto é a média dos três. Para pontuar cada item, uma infinidade de profissionais como químicos, biólogos, sociólogos, físicos, bioquímicos entre outros, participam do processo. Para avaliar a ação dos compostos químicos dos produtos, por exemplo, fontes renomadas como o SCORECARD são utilizadas, mas também se considera uma pontuação de corte para a falta de informações. Ou seja, isto força o fabricante a ser mais claro na descrição da composição química, se não quiser receber uma nota mais baixa em seu produto. A consequência que esperamos é a TRANSPARÊNCIA.

Elegemos para começar, uma base para rosto (que muitas mulheres adoram), da marca MAC:

Clique no link para abrir a imagem: http://ow.ly/b3a9y

A primeira nota foi uma surpresa.
Fomos mais a fundo para entender o que gerava a nota tão baixa no item Health (saúde) (4.0).

Clique no link para abrir a imagem: http://ow.ly/b3at5

Então exploramos a lista de ingredientes controversos. Entre todos, destacamos a descrição de dois deles, que apesar de levantarem baixo nível de preocupação, acredito que toda mulher em idade reprodutiva deveria ser informada.

Ingrediente controverso: Dióxido de Titânio

- Este ingrediente levanta um baixo nível de preocupação com a saúde, segundo a classificação GoodGuide.
- Este ingrediente é suspeito de causar câncer, de acordo com fontes compilados pelo Scorecard (www.scorecard.org).
- Este ingrediente é suspeito de causar toxicidade reprodutiva, de acordo com fontes compilados pelo Scorecard.

Ingrediente controverso: Phenoxyethanol

- Este ingrediente levanta um baixo nível de preocupação com a saúde, segundo a classificação GoodGuide.
- Este ingrediente é suspeito de causar problemas de crescimento, de acordo com fontes compilados pelo Scorecard (www.scorecard.org)
- Este ingrediente é suspeito de causar toxicidade reprodutiva, de acordo com fontes compilados pelo Scorecard (www.scorecard.org)
- Este ingrediente é proibido para utilização em cosméticos no Japão.

Após isto, analisamos os itens Environment (meio ambiente) e Society (sociedade), ambos com notas baixas também ecomeçamos a nos questionar: será que se todas as mulheres que já adquiriram este produto tivessem acesso direto no ponto de venda, à este tipo de informação, continuariam optando por este item?

Nossa equipe chegou a conclusão que não continuariam. Agora, imaginem milhões de consumidores fazendo o mesmo? Imaginem a força que informações como esta podem gerar no mercado?

A conclusão é simples: quer ser mais sustentável no seu dia a dia?
Procure informações sobre o que você anda consumindo. Se não encontrar, peça ao fabricante/lojista.

Não gostou da informação que recebeu e está desconfiado?
Divulgue, argumente, compartilhe.
O que não podemos mais, como cidadãos, é ignorar o que esta por trás de cada item que utilizamos!

Topics: Perdas no Varejo