[CASE] Antena antifurto com detector de metal permite ação mais focada

por Rui Rodrigues 19/07/2018 10:56
Entre em contato:

Caedu antenas antifurtos com detector de metal MDG

Uma das principais redes varejistas de moda fast fashion voltadas à classe C em São Paulo, com 50 lojas distribuídas na capital e interior do Estado, a Caedu passou por uma ampla mudança entre 2010 e 2011. À época, os acionistas entenderam que seria preciso a empresa crescer com sustentabilidade, reduzindo perdas e fortalecendo a governança corporativa. Foi quando iniciaram um trabalho forte nas áreas de controle e reforçaram a importância da tecnologia no combate as perdas. Hoje, todas as lojas estão protegidas com equipamentos de segurança, como as antenas antifurtos, e nenhuma das unidades previstas a serem inauguradas entra em operação sem a prevenção de perdas no escopo do projeto. Contamos sobre este projeto na edição da Revista Prevenção 2018.

De 2011 até o momento, a Caedu reduziu suas perdas em torno de 40%. A varejista conta com o sistema de CFTV e EAS da Gunnebo e, mais recentemente, a antena com a tecnologia MDG (Metal Detector Gateway), antenas antifurtos com detector de metal, e o Intelisafe (cofre inteligente). Implantadas no final de 2017, junto com o cofre, as antenas em MDG trouxeram mais agilidade e maior detecção de possíveis furtantes nas lojas.

“Os gerentes das unidades e as equipes se adaptaram e gostaram muito das antenas antifurtos com detector de metal (MDG), pois também implantamos em nossas unidades o CFTV na porta da loja e com isso sempre temos um colaborador no local. Hoje as gangues estão cada vez mais preparadas. Com as antenas em MDG conseguimos identificar qual é a pessoa que está com o equipamento preparado e focar as ações”, diz Rogério Maia de Paiva, gerente de Auditoria Interna, Prevenção de Perdas e Compliance da Caedu.

A MDG é uma solução exclusiva desenvolvida pela Gunnebo. A tecnologia consiste em um detector de metal que funciona como um acessório, podendo ser implementado às antenas antifurtos. Muitos furtantes utilizam metais e outros matérias similares para facilitar seus furtos, atrapalhando os sistemas antifurtos. Com o MDG, é possível identificar, antecipadamente, a entrada de pessoas com determinada quantidade de área metálica, emitindo sinal sonoro distinto daquele feito pela passagem de etiquetas de proteção eletrônica. Isso permite uma abordagem distinta pela equipe de segurança, além de não requerer antenas adicionais e não ser visível externamente (ou seja, não altera a estética das antenas). “Essa tecnologia ajuda principalmente nos dias de grande movimento, onde temos muitas pessoas dentro da loja e conseguimos focar as ações nas pessoas certas”, afirma Maia.

Além da parceria com a Gunnebo, a Caedu também implantou outros projetos, como um sistema de retaguarda online com todas as operações dos caixas das lojas, os coletores de dados nas lojas e Centro de Distribuição, realização de inventários totais e rotativos, o Mapa de Risco e Plano de Ação do inventário, além de investir em treinamentos constantes com todas as equipes.

“Nos treinamentos com o meu grupo ou com as equipes das unidades eu reforço a execução e repetição em todos os processos do varejo. Não existe perda zero ou sobra de produtos. Nas duas situações devemos checar possíveis erros operacionais ou fraudes. A nossa meta de perda é permanecer com os mesmos índices financeiros que estamos apresentando nos dois últimos anos” − Rogério Maia de Paiva.

 

revista prevenção de perdas 2018 Veja mais cases de sucesso como este na Revista Prevenção de Perdas 2018. Aproveite para conferir dicas de especialistas e conhecer as últimas novidades do varejo. Clique aqui e acesse gratuitamente a versão digital da Revista.

 

New Call-to-action

Topics: Perdas no Varejo, Segurança Eletrônica, Sistemas Antifurtos